Sexta-Feira, 10 de Maio de 2019
SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA NAS BALSAS DE DELFINÓPOLIS
Apenas uma está funcionando, ocasionando filas
Image title

Foto: Lucas Soares / G1


Delfinópolis, destino turístico certo para os moradores da região, decretou situação de emergência nas balsas utilizadas para travessia entre a cidade e Cássia (MG), sobre o Rio Grande.


Com o decreto, publicado na tarde de terça-feira (7), a travessia está sendo feita somente por uma embarcação com capacidade para 12 veículos.


As outras duas que faziam o serviço e que pertence a Furnas Centrais Elétricas, estão com os serviços interrompidos. A decisão da prefeitura foi baseada nas notificações e em um auto de apreensão elaboradores pela Capitania Fluvial de Minas Gerais em relação às balsas pertencentes a Furnas.


Ainda conforme o decreto, a única embarcação da atividade, a Balsa São João Batista do Glória, fará apenas a travessia de veículos de passeio e caminhões com até 14 toneladas. Está proibida a travessia de carretas, bitrens e rodotrens.


O período de emergência é por tempo indeterminado, até que a situação seja resolvida.




PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE UMA PONTE

Segundo Furnas Centrais Elétricas, um projeto básico para a construção de uma ponte sobre o Rio Grande está sendo feito e eliminará o uso das balsas. Ele deverá ficar pronto neste mês de maio.


Hoje, Delfinópolis é praticamente uma cidade isolada. As únicas formas de se chegar ao município turístico, que fica aos pés da Serra da Canastra, é por meio da travessia de balsa sobre o Rio Grande, chegando pela LMG-856, por Cássia (MG) ou pela BR-464, que apesar de ser uma rodovia federal, é de terra e em dias de chuva fica praticamente intransitável.


A construção da ponte sobre os 1,8 km que separam o Rio Grande de uma margem à outra também iria acabar com um problema de ordem financeira. Hoje, para operar as balsas sobre o rio, Furnas gasta cerca de R$ 1 milhão por ano.

Fonte: G1
Image title



Fonte: Inside Vip





Anuncie


VEJA TAMBÉM


 
Eletropar