Segunda-Feira, 12 de Agosto de 2019
MORRE AOS 8 ANOS O CÃO APACHE
O cão farejador atuou no caso Joaquim Pontes e em outros de destaque na região
Image title

Morreu na última sexta-feira (9), em Ribeirão Preto, o cão farejador Apache, que pertencia à Polícia Militar e participou da investigação da morte do menino Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, em novembro de 2013.


Segundo o cabo PM Ataíde Andrade dos Santos, o animal, aposentado de suas funções na PM (Polícia Miliar) em 2018, foi encontrado ferido no canil particular do policial, no Jardim Independência, zona Norte da cidade. A suspeita é que outro cão, que também estava no espaço, tenha atacado Apache. O cachorro, da raça bloodhound, estava no canil com outros três cães havia um ano.


"A veterinária disse foi o rompimento de uma artéria do pescoço. É bem provável que tenha sido causado pela mordedura de outro cão. Do lado externo tinha um pequeno inchaço, mas o ferimento foi interno. Eles nunca brigaram, mas é animal e a gente nunca sabe o que poderá ocorrer", afirmou o policial, que ficou com Apache após o animal deixar de atuar pela PM.


Apache teve atuação de destaque nacional no caso Joaquim, em Ribeirão, na localização de um menino afogado em São Joaquim da Barra, e no encontro do corpo de um homem esquartejado e enterrado em Franca. Era especialista em faro de pessoas, cuja raça é eficiente nesse trabalho.


Em 2013, o animal apontou que o menino Joaquim Ponte Marque, 3, e o padrasto Guilherme Raimo Longo, teriam feito o mesmo percurso da casa onde moravam até um córrego nas proximidades, na região Norte da cidade. O corpo da criança foi encontrado posteriormente no rio Pardo, em Barretos.


Apache foi enterrado na noite da sexta, em uma área próxima ao canil no quartel da PM localizado na avenida Cavalheiro Paschoal Innecchi, no Jardim Independência, zona Norte.

Fonte: A Cidade On

Image title




Fonte: Inside Vip





Anuncie


VEJA TAMBÉM


 
Eletropar