LUPA E GOOGLE LANÇAM SOFTWARE DE IMPACTO VISUAL COM MORTES POR COVID-19

O programa simula como ficaria sua vizinhança se todos os mortos pela doença se concentrassem ao seu redor



A agência Lupa, em parceria com o Google News Initiative, desenvolveu um produto de visualização de dados para colocar o leitor no centro da epidemia, simulando como ficaria sua vizinhança se todos os mortos pela doença se concentrassem ao seu redor. O resultado foi o software “ Noepicentro” - clique aqui para acessá-lo. 

No site, o usuário é convidado a inserir seu endereço e dar início a uma narrativa que reconta a evolução da Covid-19 no Brasil. Essa narrativa, no entanto, toma a localização do leitor como o início da pandemia no país e, a partir daí, indica o espaço territorial ao seu redor onde deixariam de existir pessoas caso todas elas correspondessem aos mais de 80 mil mortos pela doença já registrados no Brasil. A ferramenta leva em consideração os dados registrados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a concentração populacional no Censo 2010.

O objetivo de No epicentro é mostrar ao usuário, a partir de referências familiares, o tamanho da epidemia no país. Ainda que o resultado da simulação não seja um reflexo exato da realidade, colocar todas as vítimas do novo coronavírus “ao lado” do usuário é uma forma de aproximar a tragédia da percepção de cada um.

“A maioria das pessoas, inclusive eu, tem dificuldade em interpretar números: vemos que morreram dezenas de milhares de pessoas, mas é difícil dar um significado a isso. O número cria uma distância entre nosso entendimento e a experiência de cada vítima e das famílias que sofrem com a perda. E se fosse possível apresentar números frios de um jeito pessoal? E se falamos ao leitor: para ver o tamanho da catástrofe, pense que todos os mortos morassem na sua vizinhança. “No Epicentro” é isso. Ele faz com que os números frios sejam pessoais e próximos, dando uma dimensão humana à tragédia”, explicou Alberto Cairo, um dos profissionais de visualização de dados coordenou o trabalho.

Em São Joaquim da Barra, o número de vítimas seria o suficiente para apagar a cidade e toda a região do mapa.

No Epicentro contou com o apoio do Google News Initiative e o aplicativo é atualizado diariamente – e assim seguirá enquanto óbitos por Covid-19 forem registrados no Brasil. Dessa forma, será possível acompanhar a evolução do número de mortes, inclusive com a visão das cidades que desapareceriam do mapa brasileiro. A ideia é que nunca nos esqueçamos das vidas perdidas neste momento de 2020.


O DESENVOLVIMENTO

A ferramenta foi desenvolvida em linguagem Python e inspirada por trabalhos anteriores de players como New York Times, Nexo Jornal e The Pudding. Os principais desafios envolveram os cálculos a partir da localização do usuário e o desempenho, que deveria garantir uma resposta rápida, além de uma visualização clara. Todo o trabalho, da concepção ao resultado final, foi publicado em detalhes pela equipe de desenvolvimento. No epicentro foi feito em código-aberto e pode ser replicado em qualquer lugar do mundo, mantendo a ideia de referencia no usuário. A Lupa não coleta ou guarda os endereços consultados e recomenda cautela no compartilhamento de dados pessoais.

Fonte: Folha de São Paulo 





GALERIA