TESTES DE ANTICORPOS NÃO SERVEM PARA AVALIAR PROTEÇÃO CONTRA COVID

Em alerta divulgado no início de junho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) assinalou que os exames sorológicos não têm a finalidade de atestar imunidade.



Em alerta divulgado no início de junho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) assinalou que os exames sorológicos não têm a finalidade de atestar imunidade. “Não existe, até o momento, a definição da quantidade mínima de anticorpos neutralizantes – que evitam a entrada e a replicação do vírus nas células – para conferir proteção imunológica contra a infecção, reinfecção, formas graves da doença e novas variantes de Sars-CoV-2 em circulação. Por isso, os testes para diagnóstico não podem ser utilizados para determinar proteção vacinal”, diz o comunicado.

Anúncio


O Food and Drug Administration (FDA), órgão regulatório dos Estados Unidos equivalente à Anvisa, já havia emitido um comunicado sobre o assunto em maio. O FDA alertou que, embora o exame sorológico possa ser utilizado para identificar pessoas que possivelmente foram expostas à Covid-19 anteriormente, são necessários mais estudos para avaliar os resultados em indivíduos vacinados.


A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) foi mais uma das entidades médicas a exprimir um parecer sobre a questão, afirmando que os testes não são recomendados para esse fim porque não permitem uma conclusão inequívoca sobre a resposta à vacina. Por meio de uma nota técnica, a Associação Médica Brasileira (AMB) também se manifestou. “Sorologias negativas não indicam falta de proteção, pois alguns indivíduos podem não apresentar soroconversão, embora apresentem algum grau de imunidade celular”, diz, em nota, a associação.


É importante saber ainda que cada organismo responde de forma diferente e que os testes não são capazes de avaliar todos os mecanismos de defesa proporcionados pelas vacinas. Além dos anticorpos, existem os linfócitos T (que coordenam a defesa imunológica e atuam na destruição de células infectadas) e as células de memória, que podem produzir mais anticorpos caso haja contato do organismo com o vírus. Outro ponto é que ainda não se sabe quais níveis de anticorpos seriam necessários para proteger contra a infecção causada pelo SARS-CoV-2.


Os exames sorológicos foram desenvolvidos para diagnosticar pessoas contaminadas pelo vírus, não para atestar proteção depois de receber a vacina.


Com informações do site do Governo do Estado de São Paulo



ÚLTIMA EDIÇÃO

INSIDE TV

GALERIA