Segunda-Feira, 21 de Janeiro de 2019
SJB - CRIANÇA MORRE COM SUSPEITA DE DENGUE HEMORRÁGICA
Gabrielly Cristina Rissato tinha 9 anos e era moradora no bairro Santa Terezinha

São Joaquim da Barra amanheceu sensibilizada nesta segunda-feira pela morte da garotinha Gabrielly Cristina Rissato, 9, possivelmente de dengue hemorrágica.
Image titleFoto Facebook - Gabrielly Rissato faria 10 anos em 28 de março


De acordo com informações obtidas junto ao secretário de Saúde do município, Rangel Luis de Melo, Gabrielly passou pela UPA- Unidade de pronto Atendimento, na sexta-feira, com febre moderada e dores no corpo e no fundo dos olhos. Na UPA ela foi atendida, medicada e liberada para casa, com as devidas orientações aos pais.

No domingo a criança teve os sintomas piorados, com fortes dores abdominais, pelo corpo, na cabeça, além de vômitos. A família a levou à Santa Casa de São Joaquim da Barra, onde já chegou tendo convulsões e em choque.


“Foram feitos os procedimentos para reanimá-la, ela voltou, só que daí pra frente o quadro já evoluiu e ela foi transferida para Franca onde foi a óbito”, disse o assessor lembrando que apesar dos sintomas serem caracteristicos de dengue hemorrágica, ainda precisam aguardar o laudo da morte, que está sendo realizado pelo SVO – Serviço de Verificação de Óbito, de Franca, para confirmar. 


Gabrielly era moradora do bairro Santa Terezinha em São Joaquim da Barra, filha do meio de Cristiane Ridencio Rissato e Jônatas Rissato. Faria 10 anos no dia 28 de março.


PUBLICIDADE


PAI DESABAFA

Em entrevista ao repórterMarcos de Paula da Rádio Imperador de Franca, o pai Jonatas desabafou:

“O primeiro atendimento dela foi na UPA. O médico nem pôs a mão nela, só receitou o remédio paracetamol e não pediu exame nenhum [... ] liberou e mandou para casa [...] ontem, tadinha, eu tava lá em casa mexendo na casa e ela sentada perto de mim, aí nós fomos tirar um cochilo depois do almoço [...] aí ela já acordou gritando com dor na barriga, perto do abdômen [...] aí nós foi no hospital [...] lá eles começou a falar que ela tava bem, mas a menina chegou lá desmaiando [...] e esse negócio deles pegar e ficar falando que tem que fazer os papéis primeiro [...] aí já atrasou, tá entendendo? [...] eu sei, é os procedimentos do hospital, ta entendendo?[...] ela chegou lá era três e pouquinho, os médicos ficou em cima dela, eu não sei a hora exata, mas foi até mais de onze horas (23h) ...ela parece que chegou em Franca mais ou menos duas e pouco [...] eles falam que não, sabe, mas ela bem dizer saiu daqui já com a respiração fraca, e toda vez que perguntavam eles falavam que ela estava bem, que ela tava respondendo direito [...] era uma menina forte [...]  sei lá, médico pelo menos podia ter pedido exame, é um pouco caso [...] não pôs nem a mão na menina [...] só receitou uma dipirona e mandou pra casa”.

Ouça o áudio aqui.


Além deste caso, a cidade conta com outros casos de dengue hemorrágica, porém não divulgados oficialmente pelas unidades de saúde. 

FAMÍLIA PEDE AJUDA

Além da dor da perda da filha, pais agora enfrentam a questão da falta de dinheiro para realizar o sepultamento de Gabrielly. As despesas custaram R$ 1400, sendo que uma parte do valor foi conseguida com o pastor da igreja em que a família frequenta. O restante deverá ser custeado pela prefeitura, mas por questões jurídicas, depende do laudo da morte que ainda não foi concluído. Quem quiser ajudar pode contatar a amiga da família Glasiela Lopes Homan pelo WhatsApp (16) 9 9466 4534.

O corpo de Gabrielly está sendo velado no Velório Municipal de São Joaquim da Barra e o sepultamento está marcado para as 10h desta terça-feira.


Atualização às 17h49
A amiga da família Glasiela Homan informou que a prefeitura, através do Fundo Social vai custear todas as despesas do velório e sepultamento de Gabrielly no valor de R$ 1400. Glasiela informou ainda que os pais vão devolver o valor de R$ 700 ao pastor da igreja. 





Anuncie


VEJA TAMBÉM


 
Eletropar