LIVE COM DR. ROBERTO ZEBALLOS – “PROTOCOLO COLAPSO”

O imunologista compartilha o protocolo de tratamento para a Covid-19 que tem tido excelentes resultados no país todo



A INSIDE realizou na noite de ontem (25) uma live no instagram com o Dr. Roberto Zeballos, imunologista que vem chamando atenção com seu "Protocolo Colapso".

O médico é defensor do uso do corticoide no tratamento da Covid-19 e afirma que se o paciente for tratado desde a fase precoce, com a medicação recomendada em cada etapa, as chances de sucesso no tratamento são altas. DR. Zeballos atua em São Paulo, mas tem compartilhando o protocolo de tratamento no país inteiro, com resultados positivos comprovados. 

O TRATAMENTO

“Nós temos um projeto de sucesso no Pará, mas para funcionar, primeiro o médico tem que ser muito preparado, depois ele tem que agir em duas frentes, identificando as fases de tratamento. Devemos dar ivermectina e hidroxicloroquina nas pessoas que acabarem de entrar em contato, ou seja, na 1ª fase.  Na 2ª fase, para as pessoas que desenvolverem um quadro pulmonar, geralmente depois de 6 ou 7 dias, a gente entra com medicação via oral e observa o paciente diariamente.

Na fase 1 trabalhamos com o kit de medicações hidroxicloroquina, zinco, Ivermectina, vitamina D. Na fase 2, em que a pessoa já precisa de hospital, usamos um Predsim via oral, 40 mg uma vez ao dia, com anticolagulantes, azitromicinas e cefalosporinas”.  


EXPERIÊNCIA NO PARÁ

“Lá no Pará os colegas foram proativos e conseguiram balões de oxigênio, podendo assim possibilitar o tratamento em casa, deixando um cateter de oxigênio no nariz do paciente e recebendo notícias diárias com os resultados. No Pará, os pacientes estavam morrendo nos carros ao procurar por um hospital. Começamos a dar o tratamento, e dos 323 casos, tivemos apenas um óbito. Dos 322 sobreviventes, 44 coseguiram internação, uma vez que as UTIs foram sendo esvaziadas. Os outros 278 foram tratados em casa, pois responderam bem aos medicamentos.

 

HIDROXICLOROQUINA

“Não tenham medo de tomar hidroxicloroquina. Se você já tomou medicações como Cipro, o risco da hidroxicloroquina é o mesmo. Mas, claro, tem que ter o médico pra identificar as fases do tratamento. As pessoas falam que não há estudo para a Cloroquina, e isso não é verdade. Temos estudos, sim. Em países como a Índia, que fizeram o uso da medicação, o número de mortes foi baixo. No Pará, após o tratamento, a curva de casos ficou quase zero. Em Porto Feliz, cidade que também aderiu o tratamento com cloroquina, tivemos pouquíssimas mortes. Quando você tem esse fenômeno de proteção à população se repetindo nos quatro cantos do mundo, podemos dizer que ele está cientificamente comprovado. Já pensou se eu fosse esperar 3 meses para usar o corticoide? Quantas pessoas não teriam morrido...”

 

DISSEMINAÇÃO

“O Plano é mandar a receita do tratamento para os municípios, tendo um líder em cada cidade pra distribuir o protocolo. É muito importante ter em mente o tratamento na fase precoce. Em casos onde não haja mais leitos, usar o tratamento domiciliar. Há cura e tratamento para a Covid-19”

 

AVALIAR OS CASOS POR REGIÃO

“Não tem sentido querer saber quando será o pico no Brasil. Temos qua fazer como é feito em eleições.  Saber a situação por região, estados municípios... Cada um terá um histórico próprio. No Pará o pico já foi atingido já acabou. Assim como em Manaus. Muito diferente de São Paulo”

Confira abaixo a live na íntegra:  





GALERIA