VACINA - SAÚDE ANUNCIA MAIS 54 MILHÕES DE DOSES

Estoques estão no fim em vários estados



O Ministério da Saúde divulgou um cronograma de compra de vacinas CoronaVac com intenção de abastecer o país até setembro.
De acordo com a pasta, além de uma totalidade de 46 milhões de doses já contratadas, o governo federal assegurou outras 54 milhões através de contrato assinado pela Fundação Butantan na última segunda-feira.

LUZ VERMELHA
De acordo com informações, o estoque de vacinas nos estados estão no limite, podendo encerrar momentaneamente as vacinações até na próxima sexta-feira.
 
Nesta quinta-feira, está prevista uma reunião virtual entre o ministro da saúde, general Pazuello e os chefes de Executivo estaduais, às 15h, para tratar do tema.

Publicidade


O Fórum Nacional dos Governadores pressiona o Governo Bolsonaro por um cronograma de vacinação. Os estoques estariam acabando em várias capitais.
Levantamento do Jornal Correio Braziliense traz as seguintes informações:
“O Rio de Janeiro (RJ) tem imunizantes até o próximo sábado, apenas. A prefeitura de Salvador (BA) suspendeu a aplicação da primeira dose da vacinação. Nesta terça-feira (16/2), o governador do estado, Rui Costa (PT), decretou toque de recolher em todas as cidades de 22h às 5h por sete dias. No interior do Ceará, o município de Juazeiro do Norte, no Cariri, suspendeu a vacinação de idosos para aplicar a segunda dose dos profissionais de saúde. Também há carência do produto na capital do estado, Fortaleza. Em Cuiabá e Rondonópolis, no Mato Grosso, suspenderam a aplicação das primeiras doses e estão aplicando apenas a segunda em quem já foi vacinado. A luz amarela de alerta está acesa, ainda, em Natal (RN) e Curitiba (PR)”.
De acordo com o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, a pasta enviou o contrato ao Butantan na última quinta-feira. A data limite para a compra da remessa era 30 de maio. De acordo com nota divulgada pela pasta, “além da CoronaVac, o país receberá até dezembro mais 42,5 milhões de doses de vacinas fornecidas pelo Consórcio Covax Facility”. Há, ainda, cerca de 222,4 milhões de doses compradas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) cuja entrega começou em janeiro.
A promessa é que a Saúde assine a compra de outras 10 milhões de doses da vacina Sputnik V e 30 milhões de doses da Covaxin, ambas com entrega prevista entre março e maio. O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB) afirmou esperar que, na reunião de hoje, o governo garanta um cronograma de vacinação com fechamento dos contratos pendentes com laboratórios que tratam junto com a Anvisa. “Isso vai garantir a ampliação das doses. Dessa forma, teremos um reforço de vacina para o nosso estado que está com percentual de contágio elevado, com a identificação da nova cepa, além de estar na divisa com o Amazonas. É absolutamente inaceitável e inexplicável estarmos em último lugar no percentual de vacina recebida por habitante”, disse.
 
 
COBRANÇA
Os prefeitos também cobram o cronograma de vacinação. De acordo com o chefe do Executivo de Campinas (SP), Jonas Donizette (PSB), que é presidente da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), a expectativa é de que o ministério apresente o cronograma fechado hoje. “Com uma campanha de vacinação em massa para todo o país, previmos esses percalços”, contou. A FNP já cobrou do Ministério da Saúde a criação de uma comissão de acompanhamento que facilite o trâmite de informação e permita que os municípios se organizem para receber e dar vazão aos imunizantes. Apesar disso, Pazuello insiste em concentrar as informações.
“Os prefeitos estão fazendo o dever de casa. Estão executando o plano de vacinação. Mas precisamos desse contato direto. No Rio de Janeiro, está acabando a vacina, em Salvador, também. Outras cidades já mandaram informações afirmando que a maioria tem imunizante só até sexta. Até agora, temos informação extra-oficial que, na terça, o Butantan manda mais doses, mas falta uma confirmação oficial. Em São Paulo, está chegando a variante do vírus de Manaus. Em minha cidade, tivemos uma senhora infectada”, revelou Donizette.
Por meio de nota, a FNP também pediu que o governo foque na produção e distribuição de imunizantes e abandone, ao menos por enquanto, qualquer anseio em relação a uma pauta de costumes. No caso do decreto que ampliou o número de armas por pessoa, Donizette classificou como uma cortina de fumaça para desviar a atenção da vacinação.
Segundo o texto, o governo federal cometeu equívocos sucessivos no enfrentamento à pandemia e na condução do plano de vacinação. “É urgente que o país tenha um cronograma com prazos e metas estipulados para a vacinação de cada grupo: por faixa etária, doentes crônicos, categorias profissionais etc. Disso dependem, inclusive, a retomada da economia e a geração de emprego e renda da população”, afirma a nota.


ÚLTIMA EDIÇÃO

GALERIA